Tampinhas são revertidas em benefícios diretos para entidades assistenciais do terceiro setor, como entidades de proteção aos animais

ALEXANDRE PELEGI

O Tampinha Legal, maior programa socioambiental de caráter educativo em economia circular, acaba de receber o apoio do Metrô de São Paulo.

A iniciativa da indústria de transformação do plástico da América Latina propõe ações modificadoras de comportamento de massa através do fomento e incentivo da coleta de tampas de plástico.

Desta forma aumentamos os níveis de esclarecimento quanto ao destino adequado dos resíduos plásticos”, informa o site do projeto.

O Metrô, ao aderir ao Programa, passa a convidar os passageiros a colaborarem com a coleta das tampinhas.

Elas podem ser entregues em coletores já distribuídos em todas as estações das linhas 1- Azul, 2- Verde e 3- Vermelha.

A entidade responsável pelo programa, o Instituto SustenPlást, esclarece que a proposta é conscientizar comunidades, órgãos públicos, empresas e a sociedade em geral quanto à importância da economia circular, da logística reversa e da reciclagem com o descarte adequado e responsável pós-uso dos materiais plásticos. E, fundamentalmente, mostrar que o plástico é um material muito precioso para ser descartado.

A coordenadora do Instituto SustenPlást, Simara Souza, festejou a adesão do Metrô de SP. “O apoio da Companhia do Metrô é de grande representatividade e os passageiros, com a simples atitude do descarte correto dos resíduos plásticos, darão uma colaboração fantástica para a sustentabilidade econômica, social e ambiental. 100% dos plásticos são recicláveis. São matéria-prima nobre. Ao doar tampinhas você proporciona sustentabilidade econômica para as entidades assistenciais do terceiro setor e ainda promove a economia circular na prática”, afirmou.

Simara Souza explica que as tampinhas retornam para a indústria de material plástico como insumos para produção de artefatos como baldes e bacias, escovas, vassouras, vasos de flores, etc.

A parceria está prevista para durar 12 meses, e poderá ser ainda renovada.

Os passageiros podem entregar as tampinhas nos coletores das estações todos os dias da semana entre 4h40 e meia-noite.

EXEMPLO

A Associação Torrense de Proteção aos Animais (ATPA), em Torres (RS), conseguiu recolher 230 quilos de tampinhas plásticas que serão utilizadas para custear ração, cirurgias e consultas veterinárias para animais de rua ou animais de tutores de baixa renda na cidade.

A entidade de apoio aos animais não apenas fez a coleta, como a seleção, limpeza e armazenamento das tampinhas, mantendo um trabalho que realiza há quatro anos.