O Tampinha Legal comemorou seus cinco anos de história com o que melhor saber fazer: juntando tampinhas. Em seu aniversário, entidades assistenciais entregaram mais de 5 toneladas do material, chegando ao montante de 725 toneladas de tampas plásticas recolhidas. Com o volume arrecadado, o programa ultrapassou R$ 1,5 milhões de reais distribuídos integralmente para as entidades assistenciais. Esta é a missão do Tampinha Legal, maior programa socioambiental de caráter educativo em economia circular da indústria de transformação do plástico da América Latina, aproximar o plástico da sociedade motivando, inspirando e conectando vários segmentos da sociedade através de ações modificadoras de comportamento de massa.

Segundo Simara Souza, Coordenadora do Instituto SustenPlást, o programa atingiu números surpreendentes de coleta graças ao trabalho junto a empresas, ONGs, escolas, asilos e tantas outras mãos voluntárias comprometidas com a economia circular do plástico. “Estamos muito orgulhosos deste caminho que trilhamos desde 2016. São mais de 400 milhões de tampinhas, o equivalente a 28 carretas do material, que retornaram para a indústria para a produção de novos artefatos plásticos proporcionando economia de energia, água, combustível e claro, de matéria-prima. O grande envolvimento da sociedade é a resposta que estamos no caminho certo”, conclui. O Tampinha Legal foi lançado na segunda edição do Congresso Brasileiro do Plástico (CBP) e é uma iniciativa do Instituto SustenPlást com o apoio do Movimento Plástico Transforma.

O Presidente do Instituto SustenPlást, Alfredo Schmitt, parabeniza a todas as empresas e sociedade civil que se uniram ao Tampinha Legal de todas as formas para chegar neste resultado. “Nossa meta é fazer do Brasil uma nação conscientizada quanto ao destino adequado dos resíduos plásticos. O Tampinha Legal representa muito mais do que volumes, ele introduz para a sociedade de forma dinâmica, alegre e interativa, temas muito relevantes como economia circular, solidariedade, coleta seletiva, civilidade e cidadania. Uma vez que é visível o quanto precisamos nos adaptar à nova realidade e destinar corretamente os nossos resíduos”, pondera. Iniciado no Rio Grande do Sul, o Tampinha Legal está atualmente em Minas Gerais, São Paulo, Alagoas, Pernambuco, Goiás, Distrito Federal e, em breve, no estado da Bahia.

As entidades assistenciais participantes como APAES, Ligas Femininas, escolas, ONGs, asilos, associações, hospitais, entre outros, podem adquirir medicamentos, alimentos, equipamentos, ração animal e/ou materiais escolares, bem como custear tratamentos e exames de saúde humana e animal, melhorias em suas sedes, entre outras ações com os recursos obtidos através do Tampinha Legal.

 

Fonte: Portal Abre